Mas afinal, porque enlouqueceu Dona Maria I?
 Tempos agitados marcaram o reinado desta rainha. Governando Portugal entre 1777 e 1792, quando foi declarada incapaz, Dona Maria respondeu às intensas transformações que ocorriam na Europa e nas Américas, 
no auge das Revoluções Burguesas.
      •  Sucessora de D.José I, a rainha assumiu após quase três décadas de atuação do Marquês de Pombal, poderoso ministro que fez várias reformas no Estado português. A Igreja e a nobreza foram alvos constantes de Pombal. Com a ascensão de D. Maria, chegou a hora da revanche, num período que ficou conhecido como a Viradeira.
       
      •  Sob forte dependência da economia inglesa, Dona Maria ficou numa situação delicada quando ocorreu a independência dos Estados Unidos, em 1776. A situação de guerra favoreceu os cofres portugueses, pois Portugal passou a ser um dos poucos países envolvidos com comércio em larga distância que não estava em guerra.
       
      •  Preocupada com a recuperação da rédeas da economia colonial, Dona Maria extinguiu diversas companhias estabelecidas por Pombal, com o objetivo de desenvolver as atividades mercantis no Brasil. Além disso, foi ela a Rainha que pressionou pela derrama, a cobrança de uma cota mínima de ouro em Minas Gerais, independente da produção obtida. Foi este o gatilho que disparou a Inconfidência Mineira.
       
      •  Em 1789 explodiu a Revolução Francesa, que espalhou pela Europa seu ideário liberal, e, alguns anos mais tarde, o terror da ocupação pelos exércitos napoleônicos. Foi na esteira desta concorrência entre a esfera de influência inglesa ou francesa que a família real portuguesa, com Dona Maria já substituída por Dom João VI, transferiu-se com sua corte para o Rio de Janeiro.